segunda-feira, 19 de junho de 2017

Mantenham silêncio...Ele está próximo

Mantenham silêncio
Um temido monstro
Que nos apavora
Em todos os anos
Está prestes a aparecer
Em nossa vila
Desprotegida
De sua horripilante
Presença
Mantenham silêncio
Ele está próximo
Não temos armas
Que sejam capazes
De deter sua feroz
Fortaleza
Teremos que dar
O nosso limite
Jorrando o nosso
Sangue pelo chão
Arriscando nossas vida
Contra sua presença
Mantenham posicionados
Ao ataque
Sejam ferozes
Igual a esta criatura
Feroz que destrói
Nossa comunidade
Mantenham firmes
Honrem suas histórias
E a origem que carregam
Em seus peito
Vamos ao ataque
Em 3,2,1...
Tudo poderá acontecer
O bem e o mau
Entrando em disputa

As tulipas de Amsterdã

Cores belas
Como se algum
Pintor tivesse 
Pintado o solo
De Amsterdã
Em cores diferentes
Mas se engana
São as tulipas 
Que nela estão depositadas
Tornando assim
Uma linda imagem
A ser inspirada 
Em novas obras
Literárias futuras
Depositando 
Aos ares
As palavras ao vento
Me desculpe
Mas estou por completo
Despejado em seu perfume
Desmanchando meu coração
Em minha poesia
Que nela ilustrei 
Por formas de letras
Pela intensidade
Da minha alma
Criando um poema
Em que desabafei
Um momento
De inspiração
E emoção
De meu ser poético
As tulipas de Amsterdã
Gostaria que fossem
Ilustradas ao seu jardim
Imaginando em algum momento
Eu e você
Nesta escultura perfumada