sexta-feira, 17 de março de 2017

Imaginações

Voz afinada
Um branco
Se estende
Entre as mãos
Até aos olhos
Pedindo silêncio
Pelo vento gelado
Curvando onde
Minha pele esteja
De fora 
Do meu paletó
Sendo molhado
Com o suor frio
Derramando
Em meu corpo 
Todo demonstrando
Fragilidade ao clima
Se entregando 
Na corda 
Que está
Por um fio
De arrebentar 
Indo direto 
Para o precipício
Sem fim
Respire fundo
Se feche 
Para a multidão
Observando te
Lá fora que aguarda
Um grande espetáculo
De sua grande arte
Que em poucas horas
Estará pronta
Pelos dedos gelados
Guerreando 
Para criar 
Uma futura obra
Sendo reproduzida
Pelas suas cordas vocais
Quentes para reproduzir
Sua bela melodia 
Cantando e se soltando
Entre as mil maravilhas
Paisagens de Estolcomo
Através de imaginações 
Infinitas e musicais 

Ainda é cedo

Ainda é cedo
Para se aventurar
Tanto em tamanhos
Parágrafos escritos
Neste momento
Temos longas viagens
A percorrer de hoje
Até ao fim do dia
Guardando inesquecíveis
Lembranças dela
Relembrando sempre
Que a vida jamais
Terá apenas
Um enorme apagão
Em nossa vida
Impedindo de vivermos
Com harmonia
Ao nosso dia a dia
Cheia de surpresas
Jamais esperadas
Por nós