quarta-feira, 26 de julho de 2017

Uma carta de Andaluzia

                                                15 de Julho de 1995                                      
    
                  Irei escrever uma carta para desabafar tudo que estou sentindo há muito tempo ou talvez até anos. Sempre me senti uma pessoa que jamais faria falta para alguém nesse mundo, me sentindo sempre um alguém que fosse incomodar as pessoas, sentindo-se odiado até por desconhecidos, tendo medo de andar na rua por se sentir uma verdadeira vergonha na família e na vida sentindo como se fosse ser julgado, humilhado, mal falado por todos, perseguido ou até mesmo ser agredido e assaltado. Não sei realmente do porque sentir tanto assim, é como se fosse uma rotina estar assim o tempo todo querendo sumir sentindo uma terrível dor em meu interior que pede ajuda através dos meus olhos lágrimas demonstrando a melancólica realidade existente em mim.
                     Ao mesmo tempo sinto que jamais valeria a pena pedir uma mão amiga para me livrar de toda essa depressão, mas realmente sei nem o que tenho na verdade, apenas me sinto assim...As vezes ou por muito tempo, que horror ter de suportar toda essa baderna bagunçando minha vida que tenho muito em viver daqui em diante. 
                    Já não suporto mais viver assim, tentarei partir dessa vida para sempre, mas jamais ocorre coragem, talvez seja muito mais a frente que irei bater as botas...Ou enfrentar tudo isso e superar em algum momento sentindo-se um grande guerreiro no final de toda essa desgraça que me incomoda por muito tempo. Irei sumir por um bom tempo agora, pegarei minha mala e vagar por ai, viajando respirando novos ares e vivendo novas aventuras que falta em minha vida...Espero estar bem  melhor quando voltar, mas não se preocupe você que estiver lendo esta carta, sei muito sobre outros idiomas e será uma ótima aventura que irei ter, abraços

Antonello Duquez ,Sebastian                      Andaluzia, Espanha