quarta-feira, 29 de março de 2017

Sete vidas

Através do caminho
Perdi uma vida
Ao decair
Sentindo uma profunda
Tristeza me afundando
Em enormes catástrofes
Ocorrendo na minha
Plena caminhada
Morrendo ferido
Eram sete vidas
Restam apenas seis
Preciso andar
Devagar
Atencioso
Com olhos abertos
Para não perder
As que restam
Mas por onde estou
É um caminho
Praticamente sem volta
Silencioso
Estou com os pés
Na ponta dos dedos
Como se estivesse treinando
Para uma apresentação
De ballet no amanhã
Para não cair
Da ponte que está
Prestes a enundar
Lá ao precipício
Quando de repente
Ouço uma corda
Arrebentar
Entro em pânico
Pois poderia ocorrer
De ir muito mais
Que uma vida
Existente em mim
Mas respiro fundo
Fecho os olhos
E os abro novamente
Andando depressa
Eu vou com a ponta deles
Só não posso pular
Porque iria rapidamente
Arrebentá-la fácil
Perdendo assim
O sentido de imaginar
Minha apresentação
Ao público
Realizando minha dança
Mas ignoro e vou adiante
Até chegar ao final dela
Acontecendo de uma  vez
Ela por completo arrebentar
Rapidamente me seguro
Para não cair
Se eu ir
Será uma a menos
E irá demorar um pouco mais
De chegar ao caminho de destino
Mas está inevitável
Minha queda
Está tudo escorregadio
Estou com dor demais
Pelas mãos
Agonizo as dores
Até cair
Perdendo a segunda
Agora só restam cinco
Acordei e quando levantei
Estava em um hospital
Os médicos me disseram
Para eu ficar deitado
E ter calma
Evitando nervosismos
Ouvi dizer que tive
Um infarto
Fui levado as pressas
Para o hospital
Escapando novamente
Do fim
Mas ainda
Não estou a salvo
Irei fazer uma cirurgia
Se não partirei fazendo
O que tanto amo fazer
Sentindo emoções
Depois que as termino
De produzi-las
E nesse tempo todo
Que estou aqui
Aguardarei pouco tempo
Até eles chegarem
Para começarem
A cirurgia em mim
Sinto me fraco
Só tenho meus pensamentos
Para se dialogar neste momento
De agora
Fechei os olhos
Sentindo assim minha fragilidade
Me entregando
Novamente em um fim
Antes deles vir
Até em mim
Começando seus trabalhos
Só me restam mais quatro
Estou em um outro mundo
Está frio aqui
Me apavora este ambiente
Como se realmente
Eu estivesse
Em um local
Onde todos ficam
Sofrendo pelo pavor
De suportar a angústia
A fobia de viver lá fora
Entro em pânico
Vejo milhares delas
Gritando cobertas
De sangue
Pedindo ajuda
Esse é o mesmo mundo
Que estive
Em tempos atrás
Pareço fazer parte ainda dele
Preciso correr
Se não os monstros internos
Existentes em mim
Irão renascer
Me deixando novamente
Neste mundo horripilante
Socorro socorro
Não tem saída
Está vindo
Uma enorme foice
Pela direção
Que estou correndo
Correndo perigo
Em perder novamente
Minha vida
Ela chegou até em mim
Nada pude fazer
Fui dilacerado
Ficando com apenas três vidas
Senti meu corpo cair
Quando acordei
Reparei que estive caído
Em um caminho
Nem frio e quente
Esta um verdadeiro
Oito e oitenta
A temperatura de agora
Fiquei sentado olhando
Para os lados
Tentando saber
Onde irei caminhar
Procurando o caminho
Onde vou até
Conseguir o que realmente
Eu queira
Levantei e do nada
Caiu um meteóro de poucos
Metros de mim
Entrei em pânico
Preciso correr
Evitar de perder novamente
Correndo desviando
Das crateras
Que estavam abrindo
Está acontecendo
Uma catástrofe horrível
A população entra em pânico
Ninguém sabe o que fazer
Não tem para onde ir
Tudo está sendo atacado
Acertado em cheio
Com grandes bolas de fogo
Estou correndo
E cheguei em um beco sem saída
Estando cercado onde estou
Vou ser esprimido
Mesmo tentando fugir
E lá se vai mais uma
Com grande luta
Que tive para sobreviver
Restam apenas duas
Acordei em meio
De uma selva
Com fome
Sem saber o que comer
Com medo de degustar
Algo venenoso
Não sem em qual
Realmente estou
Talvez tenha animais selvagens
Peçonhentos
Ou até mesmo um caminho
Onde corro o risco de cair
Morrendo batendo a cabeça
Ficando assim tarde
Em chegar ao caminho
De destino da minha vida
Ando rapidamente
Grito por ajuda
Mas nenhuma resposta
Quando de repente
Levo uma flechada
Pedradas
Até ser morto novamente
Talvez por um grupo indígena
Existente pelo mundo que vivemos
Agora só me resta uma
A última chance que tenho
Se não for no hoje
Minha vida e meus esforços
Serão tudo em vão
Acordei novamente
Deitado de bruço
No chão
Está chovendo forte
Fazendo frio
Caindo pedras de gelo
Trovejando muito
Mas ainda tenho chance
De conseguir
Tentarei me esforçar
Chegando lá
Vou levantar
Correr descalço
Em um chão molhado
Sem saber
Se nesta poça de água
Tenha um objeto
Para me perfurar
Derrubando meu ser
Ao chão
Vou a partir de agora
Depressa até chegar lá
Tentando pular
Tudo o que tiver
Em minha direção
Estou a caminho
Sem perceber
Um pedaço de árvore
Me derruba
Fazendo me gritar
De dor
Quebrando assim
Meu braço
Sem ter como enfaixar
Eu tive que levantar
Com toda minha fúria
E sede de vitória
Estou sentindo demais
As dores tentando
Me conter
Mas irei até o fim
Continuando
Para conquistar meu objetivo
As pedras estão um pouco geladas
Ao chão
Mesmo assim estou indo
Correndo
Quando cheguei
Em um certo caminho
Uma pedra caiu em mim
No meu ombro
Do que quebrou
Ficando assim
Estirado ao chão
Correndo risco de perder
Ainda há tempo
Restam metade do caminho
As pedras não param
De cair em mim
Por sorte
Não são tão grandes
Mas está difícil
Ainda
Mesmo assim irei levantar
Todo dolorido
Correndo até lá
Tentando superar
As dores e o cansaço
Que chegou
Para tentar me impedir de
Ir até lá
Estou começando
Ter  fraquezas
Comecei a sentir fome
Pelo caminho
Vou levantar
Indo até lá
Os trovões parou
Um pouco
Começou a acalmar
A chuva que veio
Tentarei correr até lá
Estou perto
Estou perto
Quando cheguei do lado
Onde quis tanto ir
Quase fui acertado
Por uns tijolos
Da casa ao lado
Que começou desmoronar
O muro pela chuva
Desviei rápido
Chegando assim
Onde tanto sonhei em estar
Realizando assim
Um grande sonho
Que tive em algum
Tempo atrás
Mesmo quase  perdendo
A metade da vida que tenho agora
Me ajoelhei
Pois soube que tudo deu certo
Por esforço meu
Pela minha garra que tive
Neste tempo todo
Me levaram ao hospital
Para enfaixar meu braço
Depois que conseguir
Realizar o que tanto
Sonhei
Depois disso
Pude perceber
Que nada se vence
Sem esforços e com as dificuldades
Que sempre irão vir
Na nossa frente
Elas não tem intenção
De nos fazer desistir
Mas sim
Em nos tornar
Fortalecidos
Suportando tudo
O que vier
Quando pensei nisto
Me emocionei
Adormecendo em minutos depois
Acordando novamente
Sentindo se
Um grande guerreiro
Na vida
Por mais que pensamentos negativos
Tentaram me impedir

 renata massa