domingo, 5 de fevereiro de 2017

Eu sou um andarilho

Eu sou um andarilho
A caminhar pela estrada
Onde esteja fluindo
O broto da minha imaginação
Pelos ares a germinar
Eu sou um andarilho
A solta pela cidade
Andarilho
Andarilho
Pobre de bens materiais
Mas possuístes
Em meu ser
Uma grande riqueza
De conhecimentos
Aprofundado em poesias
Criadas ao reproduzir
Pela minha flauta
Onde despejo
Ao meu arredor
A música lírica
Criada ao improvisar
Com olhos fechados
O soneto que move me
A nuvens figurantes
De uma história
Vivenciada com
Minha criatividade
Pelos meus pés
De andarilho
Aventureiro
Pelas ruas
E sou um poeta
Vivendo em uma casa
Barroca de décadas atrás
Mas que nunca se prende
Ao seu lar que muitas vezes
Poderá me fazer sentir
Um estranho
Em minha própria residência
Eu sou um andarilho
Que possui sonhos
E asas ao voar
Entre os céus
Ao fechar
Minha consciência
Do dia de agora
Por horas
Eu sou um andarilho
Pois não canso de dizer
Quem realmente sou
Sinceramente?
Tenho orgulho
De meu ser
Não precisastes
Das notas
Para ser um rico
Amedrontado
De viver arriscando
Mas tenho
Apenas um medo
Apenas um
Que és não poder
Realizar minha maestria
Sonhadora de minha pessoa
Pois o dia do amanhã
Poderá nos engolir
Antes de manobrarmos
Nossas emoções
Ao realizarmos
Nossos grandes sonhos
Com imensas alegrias
Quem sou realmente?
Um andarilho
Eu sou um andarilho
Mundo que és
Muitas vezes cruel