sábado, 7 de janeiro de 2017

Acordei assim.....

Um dia acordei
De um sonho
Em que nem sei
Como explicar
Apenas em um tom
De uma cor
A um quadro
Que me despejo
Fora da realidade
A que nunca imaginei
Observar em outras dimenções
Fui me reconhecendo
Através de outro eu
Em que me surpreendia
Pelo seu tom do timbre
De sua voz poética
Que me encantou
Pela literatura existente
Ao seu coração
Misterioso ser
Que sou neste mundo
Quando de repente
O céu mudou
Seu comportamento mudou
O brilho de seu olhar
Se tornou ainda mais belo
Foi como se fosse ocorrer
Um  fenômeno natural
No planeta real
Em que vivemos
Realmente não entendi
O que sonhei
Mas soube por completo
A grande surpresa existente
Ao ser que sou
Consegui tocar
Meus dedos
Em sua própria carne
Dos dedos poéticos
Existente em suas mãos
Criativas que torna
Seu mundo uma grande
Galáxia rica
Em criatividade
Misteriosa a realidade
Ao pôr do sol lá fora
Consegui entender o bastante
Do porque tanto silêncio
Envolvido eu seu rosto
Maestro dos seus pensamentos
Ao silencioso ambiente
Em que as letras
Na palma das suas mãos
Se tornam grandes
Redemoinhos espalhando
Surpreendentes destroços
E absurdos em que
Colore onde sua existência
És vazia e incolor
Que espalhava a dor
De viver em agonia
Ao possuir o melancólico
Sentimento da solidão
Ao seu redor
Em formato de chamas
Intensas e belas pela cidade
Quanto menos esperei
Isso tudo foi uma grande
História em que conheci
Através do anoitecer todo
Que permaneci desacordado
Descobrindo o Eduardo
Existente neste planeta
Não sei se chorava
De emoção ou  tristeza
Por ter deixado de observar
Onde estava encantado
Pela maravilha onde
Deixei meus pés
Se levantar surpreendido
Do ambiente onde estive
Só apenas lembranças
Belas que tive
Ao saber
Quem realmente sou
Mas a melodia
Das teclas de meu piano
São baixas
Para reproduzir
Onde estou
A fazer de minha obra
Celebral ser descoberta
Por ai de uma forma bela
Meu corpo dói
Sinto o vazio
De onde estou
Ser mais intensa
Como se estivesse
Caído meteoritos
Em meu lado
Quando estava de viagem
Mas da melancolia existente
Alastrando ao meu interior
Por estar a mim
Posso a  tornar
Tornados onde
Posso o fazer
Girar e tentar
Abrir os olhos
Dos cegos
A enxergar
Nossa realidade
De uma forma
Mais bela e positiva
Em nossos corações
Nos revivendo das cinzas
E vivendo mais e mais
Com paz e amor