terça-feira, 25 de outubro de 2016

Realmente

Reescrevo novamente as palavras
Desabafando tudo o que sinto
Entre as folhas um grande texto
Descrevendo toda tristeza
Sentida em meu coração
Realmente sinto me
Desesperado
Sem fôlego
Sem chão
Forças
Até cair a um grande
Fundo frio e caótico
Que sempre me senti
Confortado e morto
Vivendo em um mundo
Sozinho e melancólico
Restam me as lágrimas
A me desabafar
Fazendo as
Minha poesia
Dando me companhia
Revivendo o fogo
Do interior em mim
Querendo intensamente
Reviver e vencer
Aquilo que descrevo
Como um outro eu
Que deseja minha morte
Por completo
Realmente
Meus dia a dia
Descrevam em mim
A vontade intensa
De partir sem
Deixar rastros
Por onde passei
Tentando me
Reconhecer
Mas tudo estás
Impossível de acontecer
Quem realmente sou eu?
Realmente realmente
O que estás acontecendo?
Permaneço a cada dia
Mais e mais confuso
Desesperado e fraco
Quando eu me observar
Estarei completamente
Rendido e acabado
Sem poder me iludir
Que as esperanças
Seriam grandes
E que seria possível
Realmente conseguir
Realizar tudo desejado por mim

Borboletas

Perdido entre a ventania
Feito uma borboleta
Ao vento que se vai
Adiante viajando
Imaginando estando
Próximo a ti
Declarando me
Com toda poesia
Que é o nosso
Romance poeta
Que o torno
A história que
Nos emociona
Intensamente
A todo instante
Borboleta bela
Idêntica ao
Nosso amor
Que tanto amo
Me inspirar
Emocionando me
Pelas poesias
Que crio ao dizer
O quanto amo
Amar minha moça
Com todo sentimento
Existente em
Meu universo
Por ti
Minha bela garota
Que a amo
Poderia dizer
Com toda
Intensidade
O quanto a amo
Sentir em meus braços
Mas em todo instante
Sinto lhe abraçando
Meu coração
Dizendo me
Acompanhar
Por onde estiver
Minha bela moça
A amo como
Se não houvesse
Mais o amanhã
Entre os segundos
Adiantes que irão chegar