quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Ventanias melancólicas

Na escuridão
Me permaneço
Aprisionado
Em meus próprios
Pensamentos
Que torturam me
Tornando meu ser
Sobrecarregado
De lágrimas
A se despejar
Em meu corpo
Frio que enfraquece
Ao sentir as assombrações
Fechando meus olhos
Fazendo me imaginar
Minha vida se ir
Como o vento
Que leva a poeira
Pelo ambiente que estás
Sobrevoando a cidade
Que permanece a todo instante
Em constantes surpresas
Mudando rapidamente
O sentimento que ela
Possui através das nuvens
Que lá em cima estão
Nos indicando
A realidade melancólica
Em que vivemos no agora
Ventania negativa
Fria que presenciamos
Ao irmos a um ambiente
Medonho sem vida
Nos indica onde
Aqueles que tanto
Sofrem calados
Sem ao menos
Terem palavras a interpretar
E dizer para um alguém
Pois nem todos são
Bons ouvintes
Para reviver um alguém
Pela realidade
Em que vivemos
Com intensidade
Sou um deles
Que observa
A vida lá fora
Se ir por completo
Quando o tempo
Se fecha e daí
Em diante
As cortinas se fecham
Para afastar
O sentimento vivo
De vivermos
Por prazer e amor