quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Amar você seria...

Seria poder novamente
Sentir se motivado
A viver nesta
Realidade em que
Na tempestade
Me desabei
Várias vezes
Sentindo me
Fracassado e desmotivado
A viver nesse mundo
Em que a tempos
Sentia me incapaz
De poder reviver
Alcançando a luz
No fim do túnel
Que muitas vezes
Me perdia
Ao caminho
Percorrendo
Milhas e milhas
Para poder
Finalmente
Abrir meus olhos
E encontrar te
Fazendo me acordar
Do coma que me faz
Morrer aos poucos
Pela realidade em que vivemos
Amar você seria
Sorrir novamente
Estando vivendo
Com todo amor
Sentindo o perfume
Que carrega em seu pescoço
Lembrando da flor
Que deixo aflorar
Em meu arredor
Imaginando te
Em todos os momentos
Quando a observo
Pelos momentos
Que estamos incompletos
A um dia triste
Sem poder tocar
Meus lábios aos seus
Fazendo me viajar
A outro horizonte
Tão de repente
Quanto menos esperamos
Estamos acariciando
Nossa alma
Com nossos lábios
Ao nosso corpo nu
No anoitecer
Que tanto amamos
Compartilhar nosso
Romance entre
Amor e sexo
Em forma de poesia
Declarando o quanto
Amamos um ao outro
Amar você seria
Tornar me um poeta
Para dizer que
A poesia que completa me
Suas palavras perfeitamente
Preenche o vazio
Que existe em minhas estrofes
Dos meus textos imensos
Que tanto escrevo
A dizer o quanto irei
Amar a minha futura flor
Que tanto desejo
Plantar em meu coração
Para poder ter lhe
Em meu universo
E história para o resto
De minha vida
Completando me
Fazendo de minha tristeza
Apenas um sentimento
Passado que a um tempo
Ilustrei em minhas palavras
Marcando minha história
Do passado que sempre
Faz me inspirar
Com minha própria poesia
Amar você seria
Levantar das cinzas
Revivendo novamente
Emocionado e iluminado
Pelo seu carinho
E palavras que tanto
Diz a mim o quanto
Precisamos um do outro
Para podermos
Nos amar como
Se o amanhã nunca mais
Fosse existir neste planeta
Tão imenso
Amar você seria
Preencher os pontos
Que demonstram o vazio
Dos meus textos
Fazendo me
Novamente recriá-los
Dando uma nova vida
A eles que tanto
Os descrevo
Como a minha arte
De desabafar
Por apenas poesias
De um poeta desconhecido
Neste mundo imenso